Varredura , infortúnio, 2007

Emilio Santisteban

Artista peruana peruana

Imagens © Aldo Cáceda e Romina Cruz

Arte de performance, arte da performance, performance art, Lima Peru Sudamérica América do Sul South America.

Infortúnio [1] Barrer, 24 de julho de 2007, Image Center. Avenida 28 de Julio, Miraflores, Lima. Em preâmbulo expresso ao relatório de Alan García Pérez ao Congresso da República em 28 de julho e aniversário do Relatório Final da CVR no final de agosto.

 

Em  Varra, ofereço meu próprio sangue, derramando-o em respeitosa comemoração das setenta mil mortes ocorridas durante o conflito armado interno nas mãos de criminosos, tanto do terrorismo insurgente quanto do terrorismo de Estado; derramamentos violentos que pretendemos manter no esquecimento e que assim, por um derramamento bastante amoroso, são lembrados.

 

Em seguida, assumindo os papéis de grandes empresas, tomadores de decisão e influenciadores nas políticas de Estado, e empresários da mídia, principalmente, mas não exclusivamente, eu varro o sangue derramado, que agora não é meu, mas de todos. - para debaixo de um tapete que, com o rosto de Alan García, tenta inutilmente esconder o inegável. O tapete ensanguentado, como é o nosso Estado e as mãos de muitos de nós, revela o rosto de Alberto Fujimori nas costas.  

 

O  música dos refrões publicitários da Aprista e Fujimorista "Respeitos mantenham respeitos" e "Nunca tivemos oportunidade, agora temos oportunidade", são  alusão ao fato de que fujimontesinismo e alanmantillismo são e sempre foram duas faces da mesma moeda com a qual cobramos e pagamos diariamente: a do desrespeito a muitos peruanos que não são realmente considerados cidadãos, e a da nossa cumplicidade na impunidade.

 

Infortunio Barrer foi mencionado na Conferência - performance Infortunio (ou as formas como os "performers" são péssimos),  Heterotopías Colloquium, UAM, Cidade do México, 20 de outubro de 2016).

 

[ 1] Tomando como antecedente a noção construída por John Austin a partir da filosofia da linguagem (em suas palestras publicadas sob o título How to do things with words em 1939), proponho formalizar o uso, no campo artístico contemporâneo, de o termo infortúnio pode ser denominado genericamente a criações que, pretendendo ser performáticas ou se autodenominarem como performances, falham na tentativa de estabelecer o sentido coletivo que uma performance implica, ou são, na verdade, simbolizações discursivas ou mera semântica representacional. Quando se trata de fracassos, infortúnios podem ocorrer, sempre seguindo Austin, devido à impertinência (infortúnios devido a mau recurso ou aplicação indevida em Austin), devido à ineficiência (em Austin, infortúnios de ato defeituoso ou ato incompleto), ou devido à inautenticidade ( Ato insincero ou ato vazio, nos termos de Austin). Quando se trata de simbolizações ou semantizações sem pretensão performativa, nos deparamos com o que Austin chama de enunciado constativo, apenas que se forem anunciadas como performances, o infortúnio surge devido a uma totalidade infeliz, uma vez que nada se pretende realmente estabelecer (o intérprete procura exprimir o seu pensamento, a sua sensibilidade, etc., contar uma história, apresentar um discurso, encenar uma dramaturgia, uma coreografia, um desenho da atividade corporal, etc.).
No caso de Barrer, estamos perante o infortúnio da inautenticidade porque embora tentássemos estabelecer uma performance, como pude verificar mais tarde em diálogos com quase todos os participantes diretos, eles decidiram omitir de sua memória, em uma negação eloqüente de todo o significado que se pretendia realizar, o fragmento “seu sangue”, que se repetiu trinta e três vezes dentro da frase completa “seu sangue, seu sangue, meu sangue”. Houve um ato insincero nas mentes dos participantes, em que as mentes resistiram ao estabelecimento de communitas com as vítimas de violência. Nada foi executado.

Varredura, infortúnio .

Image Center, Lima

24 de julho de 2007

Duração aproximada de 30 minutos

Tapete, feito pela designer rosario Maria Silvia Piaggio

Sangue humano (2 litros  previamente extraído para o intérprete).

Vassoura, tira-nódoas, papel absorvente, balde

Refrões publicitários do governo de Alberto Fujimori e  do segundo governo de Alan García.

Duas maneiras de vestir (roupas simples e mínimas, terno e gravata)

Pessoas trancadas no porão (33 pessoas)

Espectadores gratuitos (300 pessoas, aproximadamente, no andar de cima do jardim, assistindo a ação por transmissão direta em uma tela gigante).

Emilio Santisteban, artista interdisciplinario de performance. Perú. emilio@emiliosantisteban.org Contato.

  • Icono social Instagram
  • Facebook Social Icon
  • Icono social LinkedIn